O Retrato de Dorian Gray: Corrupção da alma revelada no filme

Dorian Gray e Lord Henry Wotton
Dorian Gray e Lord Henry Wotton

O Retrato de Dorian Gray é uma adaptação do livro homônimo de Oscar Wilde, publicado originalmente numa revista periódica, em 1890. O filme nos faz pensar o que realmente vale à pena em nossas vidas. Como um “bon vivant” (garoto que herda fortuna e passa a aproveitá-la, gozando a vida sem preocupações), Dorian Gray ingressa em um estilo de vida que não é seu ambiente natural. Percebe-se nas cenas iniciais como o protagonista sente-se deslocado com aquelas festas tediosas, e como, por estar num território desconhecido, acaba ouvindo todo tipo de dicas para que possa misturar-se.

Anuncio:

Como Desenhar Melhor.

A entrada de um personagem chega a causar certa angústia, pois Dorian é levado cada vez mais por uma senda obscura, e passa a ouvir com maior frequência aquele novo amigo. Quando queremos nos sentir bem, ou seja, nos sentir acolhidos por um grupo, é muito fácil abrirmos os ouvidos para certos conselhos que nos levam para o lodo. O problema é que não enxergamos este lodo enquanto não estamos nos afogando nele. O que isto demonstra é que nao importa o quão boa seja uma pessoa: se ouvir as coisas erradas no momento certo, será corrompida, mesmo que sem saber. E como eu disse, quando notar já será tarde.

Dorian, admirando seu retrato já pronto
Dorian, admirando seu retrato já pronto

O que leva o belo Dorian para seu inferno particular é, inicialmente, a obsessão pela própria beleza. No começo esta vaidade não estava desenvolvida nele. Foi algo gradativo que surgiu após muitas sessões da pintura de seu famoso quadro, e após muitos elogios que seu rosto despertava nas pessoas – tanto de homens quanto mulheres -, e isso começou a lhe subir à cabeça. É uma situação até que familiar, se pensarmos nos vários casos de pessoas que passaram do anonimato à fama em poucos dias: se não tomar cuidado, é facil deixar-se levar. Facil até demais.

Quando o Lorde Henry Wotton pergunta, como que por brincadeira, se Dorian venderia sua alma ao diabo para manter aquela aparência o jovem responde, sem titubear, “sim”. O problema foi que nem o Lorde e nem o pintor Basil Hallward, que também presenciou esta afirmação de Dorian, imaginaram o quão sério era aquilo.

O "sim" que dá inicio a tudo
O “sim” que dá inicio a tudo

O curioso é quando Dorian começa a ouvir seu “diabinho”, o amigo Henry, e se entrega à uma vida libidinosa, com o pretexto de que a vida deve ser aproveitada. Pouco tempo depois destes desvios ele nota que o quadro já não está mais tão belo quanto antes. O objeto passa a tomar para si todas as mazelas que deveriam afetar ao próprio Dorian pela conduta desenfreada nas bebidas, drogas e sexo. Como uma bela metáfora da alma do protagonista, o quadro começa a definhar à medida que o próprio mantém-se sempre da mesma forma, independente de quantas besteiras faça ou de quantos anos se passem. Aqui percebemos que o “diabinho” do início, o amigo dos maus conselhos, passa a temer sua própria criação.

O Retrato de Dorian Gray é um filme que nos leva a refletir sobre quem realmente somos. Não somente sobre fazer as escolhas corretas ou saber a quem ouvir, mas também sobre olharmos para o nosso interior e nos perguntar se nosso “retrato da alma” não está apodrecendo.

Anuncio:

Desbloquei sua Escrita Criativa.

Se você tivesse um retrato deste, que imagem apresentaria?

Mais Artigos

Livros Ultra Recomendados

Produtos Imperdiveis

Anuncio:

Quer saber o porque a Mesa digitalizadora HS610 que custa menos de R$300,00 acaba sendo melhor de modelos cima de R$ 1000? Se sim você PRECISA ver esse video.

Sobre o Autor

Escritora, ilustradora e taróloga autodidata, Nantai procura reavivar a centelha de magia que todos temos. Gosta de montanhas, gatos, e de escrever ao som da chuva. www.bcrausnantai.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.