Cosmos: A Spacetime Odyssey – conhecimento possível graças à irreverência e ousadia de poucos

Carl Sagan e Neil deGrasse
Carl Sagan e Neil deGrasse

O documentário “Cosmos: A Spacetime Odyssey“, apresentado pelo divulgador científico e astrofísico americano Neil deGrasse Tyson, é como se fosse uma segunda parte do documentário de 1980, apresentada por Carl Sagan. Vem com uma incrível trilha sonora, lembrando em alguns pontos Star Wars e Jurassic Park.

Apesar do nome, Cosmos: A Spacetime Odyssey não fala somente de assuntos além de nosso planeta Terra. E esta é a parte mais interessante, pois considera que tudo está intimamente interligado – e de fato está -, enquanto somos levados por uma viagem pelo tempo e pelo espaço através da “nave da imaginação”. Tudo começa pela localização. Onde estamos? Isso, claro, considerando o universo como ponto de partida. 

Um detalhe interessante é a menção que Neil deGrasse Tyson faz à Voyager 1. Foram dois discos fonográficos de ouro lançados ao espaço, sem um destino específico, contendo vários tipos de mensagens.

Disco de ouro da Voyager 1, frente e verso
Disco de ouro da Voyager 1, frente e verso

Carl Sagan, apresentador da série dos anos 80, não por acaso chefiou o comitê que selecionou os sons gravados nos discos. Entre eles estavam sons da natureza como por exemplo trovões, ondas do mar, o assovio do vento, canto de pássaros ou das baleias, e também diversas músicas de diferentes culturas e épocas, mostrando um pouco dos costumes que tínhamos no planeta naquele tempo. Por saberem que a Voyager 1 é muito pequena com relação a todo o espaço, os cientistas sabem que as chances de ela ser encontrada são mínimas. Por isso, a intenção da Voyager não é uma comunicação, mas sim um item de curiosidade para a forma de vida que a encontrar num futuro distante – humana ou não -, já que ela será como uma cápsula do tempo.

A "Nave da Imaginação", toda cromada e aerodinâmica, através de onde iremos explorar o nosso planeta e o ilimitado universo!
A “Nave da Imaginação”, toda cromada e aerodinâmica, através de onde iremos explorar o nosso planeta e o ilimitado universo!

O episódio seguinte mergulha num interessante passado com as teorias da evolução de nossos atuais olhos, cuja visão julgamos tão límpida e perfeita. Já pensou que tudo isso que você enxerga pode ser apenas uma versão grotesca da realidade? Pois é, ainda não somos perfeitos.

Cosmos: A Spacetime Odyssey vai além. Explora amizades dos grandes Isaac Newton e Edmond Halley (aquele mesmo, do cometa). E isto é somente o início, já que a série tem 13 episódios, todos eles nos levando de uma forma incrivelmente lúdica através de uma viagem sem limites.

Curiosidades que muitos sempre tivemos, e outras que talvez nem passassem pela nossa cabeça são exploradas aqui de maneira empolgante. E todas estas respostas só foram possíveis graças a questionadores que não tiveram medo das represálias nos séculos passados, e não foram poucas. O carisma de Neil deGrasse Tyson ajuda nesta incrível viagem, e você sem dúvida vai passar a ver a vida na Terra – e no espaço – de uma forma completamente diferente!

Praticamente invicta na Netflix, Cosmos: A Spacetime Odyssey leva 4,6 estrelas, mostrando que esta opinião se estende a mais de 800 mil pessoas. Recomendo!

Mais Artigos

Sobre o Autor

Escritora, redatora e ilustradora autodidata, Nantai procura reavivar a centelha de magia que todos temos. Gosta de montanhas, gatos, e de escrever ao som da chuva. Gosta de falar sobre fantasia e ficção científica, e colabora neste blog com um pouquinho de tudo. www.bcrausnantai.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.