Para onde foi a febre dos Tamagotchi?

Um pequeno aparelho contendo alguns pixels que se movem e apitam. Estes são os Tamagotchi, ou o famoso “bichinho virtual”, como era chamado no Brasil nos anos 90, época de sua febre. blog_tama_flowerhills_1Lembro-me como se fosse ontem como eu me preocupava com os meus como se fossem de verdade. Inclusive, na minha região quem fez sucesso não foi o Tamagotchi original, da Bandai. Mas sim o tal “Rakuraku Dinokun”, que na época não perdia em diversão para o original japonês, pois tinha várias opções (quem não se lembra do dinossaurinho tremendo de frio, querendo que desligássemos o ar condicionado?). A febre brasileira passou, as crianças cresceram, mas os Tamagotchi ainda existem. Eles não apenas estão por aqui, como também evoluíram: as novas versões “Tamagotchi Connection” vieram para revolucionar o mundo dos bichinhos virtuais. A febre não voltou ao Brasil como antes (praticamente todas as crianças tinham algum tipo de bichinho virtual), mas ainda é possível ver em alguns poucos lugares alguma criança – ou adultos também – apertando os botões do brinquedo em formato de ovo.

Tamagotchi Connection

Diferente de antes, onde os coitados ficavam enclausurados numa teia de pixels sem saída, hoje eles podem interagir entre si gracas ao infravermelho. Dessa maneira fica bem mais legal brincar na presença de amigos que também tenham um Tamagotchi. Para quem tem intresse em adquirir um, saiba que os originais da Bandai são distribuídos no Brasil pela Long Jump. Veja o comercial brasileiro: Fiz uma pesquisa de preços, e vi que a versão “Tamagotchi Tama-Go” está saindo por uma média de R$ 69,99 a R$ 119,90 em lojas virtuais. Pesquisando o mesmo produto na Amazon.com encontrei por $ 13.00, o que equivale a aproximadamente R$ 25,87 com a atual cotação do dolar. Pois é, Brasil é sempre mais caro… :-\

Para qual idade?

tamagotchiLembro que na época daquela febre apareciam notícias nos jornais sobre solteiras(os) que moravam num apartamento onde não eram permitidos animais, e elas acabavam arranjando um Tamagotchi. Eu achava aquilo o máximo, pois tinha os meus 12 ou 13 anos e imaginava que morar sozinha com meu bichinho seria o máximo. O fator diversão varia de pessoa para pessoa. Enquanto uns podem vê-los com tédio, outros os vêem com brilho nos olhos. A única restrição são as crianças muito pequenas, por conter peças menores. Acho sinceramente que o Tamagotchi é para todos, e um ótimo presente para as crianças (principalmente se forem duas, para seus tamas interagirem). Ele não dá trabalho, não late ao som do telefone, não solta pelos – nada conta animais, mas infelizmente tenho alergia e os tamas são uma alternativa.

Muito caro

Para quem não está afim de desembolsar umas dezenas de reais para ter a versão física do bichinho virtual, saibam que a Bandai lançou recentemente o aplicativo para Android e iOS. O aplicativo Tamagotchi L.i.f.e. está disponível gratuitamente para download na imagem-link abaixo, e vem com a promessa de ser melhor que o original (infelizmente não posso dizer se é verdade, pois meu smartphone Android é um modelo incompatível 🙁 )

logo

Qual era o seu Tamagotchi? Existiam tantos… Pinguins, bebês, dinossauros, gatinhos… Conte suas histórias, as broncas da professora na escola (eu escondia o meu no estojo), e vamos ver se é possível que essa moda volte no meui de tantos smartphones e aplicativos. GoGoGo level UP! – oh, he pooped in my post!

Mais Artigos

Sobre o Autor

Escritora, redatora e ilustradora autodidata, Nantai procura reavivar a centelha de magia que todos temos. Gosta de montanhas, gatos, e de escrever ao som da chuva. Gosta de falar sobre fantasia e ficção científica, e colabora neste blog com um pouquinho de tudo. www.bcrausnantai.com

One thought on “Para onde foi a febre dos Tamagotchi?

  1. Ainda me lembro dos meus “Tamagotchis”. Eu geralmente tinha dinossauros ou cachorros e gatos. Mas eles ou morriam, ou a pilha acabava, ou iam sem querer tomar um banho na privada t.t.
    Com certeza um dos símbolos da minha infância *–*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.