Sahara (Saara) – Uma animação Netflix (animação original)

saara sahara animacao netflix header capa pitt escorpiao

A primeira impressão que a animação Sahara (também chamado de Saara, um original da Netflix) me deu foi a de algo muito infantil. Por este motivo, não fui imediatamente dando o play (precisei de uma indicação para tal). Mas depois que a chance foi dada, comecei a achar interessante.

Antes de continuar, dê uma olhada aqui. COM CERTEZA algo vai chamar sua atenção 😍

Entenda a importância que o início de um filme ou série tem para nosso julgamento.

saara sahara animacao netflix ajar bullying valentao najaPrimeiro veio um risinho, por conta de uma trapalhada do escorpião Pitt. Depois, acabei sentindo a empatia pelo protagonista, Ajar (uma naja do deserto). Apesar de ser bulinado entre seus semelhantes, ele teve a coragem de enfrentar o valentão da turma. Mesmo assim, acabou levando a pior e perdendo seu almoço (infelizmente, muitos jovens devem se ver em Ajar).

Notamos que ele é de fato um zé ninguém entre as outras najas, e os poucos que falam com eles é para incomodar. Com isso, veio o desejo dele: sair daquele lugar, e encontrar uma vida melhor além dos limites do deserto: o oasis.

saara sahara animacao netflix ajar cobra deserto oasis limiar

Sahara e as diferenças raciais

Com a entrada de Eva (a mocinha por quem Ajar se apaixona) percebemos que tanto o grupo de cobras da areia (os “poeira”) quanto o grupo de cobras do oásis (as cobras verdes) eram muito diferentes entre si, e não apenas na aparência: elas tinham hábitos diferentes, habilidades e conhecimentos distintos, e cada uma das espécies tinham um conceito (quase) errôneo sobre o outro.

saara sahara animacao netflix ajar eva especies cobras diferentes
Inicialmente, Eva fica assustada ao descobrir que Ajar é um “poeira” (cobra do deserto)

E isso é muito semelhante com o que vemos entre os próprios humanos, com as diferenças raciais e geográficas, e os preconceitos com as diferentes culturas.

E neste ponto eu arrisco dizer que a animação Sahara poderia ter aproveitado para falar um pouco mais sobre como chegamos a conclusões erradas quando apenas vemos estereótipos, e de como deixamos de questionar a verdade quando apenas “ouvimos dizer” que tal coisa é assim (pois ali, cada uma das espécies contavam suas próprias versões daquilo que sabiam sobre a outra).

saara sahara animacao netflix ajar eva fugindo disfarcados
Ambos disfarçados. Ajar com musgo, e Eva com lama

Clara referência

Em Sahara, as referências à cocaína são bem fortes, e fico apenas me perguntando se os pais das crianças que assistem não perceberam isso.

saara sahara animacao netflix gary drogado cheirando polen
Gary se mostra um viciado em cheirar pólen de flores, e sempre que faz isso fica “doidão”, brisando e falando mole

Eu não condeno os produtores e roteiristas, pois como escritora considero interessante mostrar todos os tipos de personagens. Acontece que o público aqui é infantil… É fato que não devemos evitar falar de drogas (ao contrário, é falando delas que os pequenos aprendem o mal que faz), mas ao vermos um personagem se sentir tão bem em usar, cria-se uma curiosidade do tipo: se ele gosta de usar, deve ser bom.

Houve um momento em que esse vício de Gary colocou os personagens em apuros, e mais adiante na animação ele sentiu-se tentado, mas conseguiu resistir. Mas a cena foi sutil demais, não deu para sentir a vitória do viciado superando sua abstinência. Mostrar que “usar drogas te coloca em confusão” não é o bastante (afinal, a confusão é vista como aventura, e a aventura é divertida).

saara sahara animacao netflix gary viciado drogado cheirando polen 01

saara sahara animacao netflix gary viciado drogado cheirando polen 02

saara sahara animacao netflix gary viciado drogado cheirando polen 03

saara sahara animacao netflix gary viciado flor polen 01

saara sahara animacao netflix gary viciado flor polen 02

Bom, foi de fato apenas uma observação que quis colocar aqui. Inclusive, se puderem falar nos comentários (mais abaixo) o que pensaram disso, seria interessante.

Bom final, mas…

Este trecho pode conter spoilers.
Quando os personagens voltaram para seus lares, existe até uma cena cômica do lagarto dizendo que não sabe o que acontecerá depois disso. Se eles unirão os dois lados, farão as pazes, etc.

Ofertas Relampago Shopee

saara sahara animacao netflix jeep camelo fimMas será mesmo que não era necessário mostrar isso? Está certo que muitos finais ficam melhores quando deixamos por conta da imaginação dos leitores/espectadores. Mas aqui ficou uma pequena lacuna: afinal, no início nos é mostrado uma situação específica de Ajar junto a sua espécie.

Quando um herói tem uma jornada que lhe dá tantos conhecimentos e experiências, o mais natural é que ele volte para casa com um elixir para lidar com o problema mostrado nas primeiras cenas.

E é disso que senti falta.

Por mais clichê e previsível que essas cenas viessem a ficar, seria o triunfo final do protagonista. Ajar ganhou uma excelente experiência de vida ao derrotar o encantador de serpentes: não apenas ficou mais confiante como também amadureceu muito! Aquela troca de pele não aconteceu à toa, é uma metáfora para essa evolução dele.

E o afrontamento final com seus antigos opressores seria a cereja do bolo (conheça a Jornada do Herói e entenda o motivo).

saara sahara animacao netflix ajar troca pele tempestade areia
Em meio a uma tempestade de areia, a troca de pele de Ajar acontece quase que acidentalmente
saara sahara animacao netflix ajar troca pele evolucao
Quando o encantador de cobras não é mais um problema, todos param para admirar a nova pele de Ajar
saara sahara animacao netflix vilao opressores gang
O chefão da “gangue” que incomodou Ajar e Pitt no início da animação acabou não sendo retomado para um desafio final
saara sahara animacao netflix vilao opressores gang 2
Os lacaios que se divertem às custas das desgraças alheias

Trailer e outras informações da animação Netflix Sahara

saara sahara animacao netflix vagalumes cantantes

saara sahara animacao netflix vagalumes assassinos

saara sahara animacao netflix encantador serpentes

saara sahara animacao netflix cobras dancarinas trupe

saara sahara animacao netflix deserto noite

Sinopse 1: Se a garota de seus sonhos está em apuros, embarcar em uma aventura pelo deserto para salvá-la é só o início da jornada.

Sinopse 2: Ao ver seu novo amor capturado, uma jovem serpente e seu amigo escorpião cruzam o deserto em uma perigosa missão de resgate.

Ano de lançamento: 2017

Classificação etária: 10 anos;

Duração: 1h 25min

Gênero: animação, aventura

 

Apesar de eu ter comentado aqui algumas coisas de meu ponto de vista, gosto também de saber sua opinião. Chegou a assistir a animação Sahara? Conte o que achou nos comentário ?

Mais Artigos

4 thoughts on “Sahara (Saara) – Uma animação Netflix (animação original)

  1. Gostei bastante do filme. Achei muito interessante, bastante colorido, o que prende nossa atenção. Porém achei um pouco exageradas as cenas em que Gary fica doidão. Creio ser desnecessária as diversas cenas desse viciado. Já q ele conseguiu deixar a drogas, deveria ser dado mais ênfase a cena de abstinência.

  2. Eu realmente queria um continuação desse filme porque de fato foi um filme que me prendeu muito. Eu amo animações e com essa não foi diferente, eu amei muito o filme e gostaria MUITO de ver uma continuação, sério tipo assim… MUITO MESMO!

  3. Eu interpretei o desenrolar do filme como uma crítica social foda. A sinopse é muito clichê, aquele romantismo de donzela em perigo e bla bla bla. Mas acho que o final foi bem original, não deixando explícito o que aconteceria, já que a igualdade é uma utopia para nossa realidade humana, e a fala do lagarto é a dos próprios humanos: “não sei.” se iremos alcança- la. Ficou marcante o assédio e a “prostituição” em um filme para crianças. “Omar e suas cobras”, isso soa muito como “o cafetão e suas putas”. Sobre drogas, o filme dá a impressão de que é bom usar, porém no meio e fim fica bem claro a trajetória desse caminho: se arriscar para usar. No final, Gary se mostra lutar contra o vício, fazendo referência ao famoso ditado: “é legal, mas vicia.” O filme em si foi bem colocado como uma lenda patriarcal (o que não julgo, se tratando de um homem que dirigiu), com causas sociais da ascensão capitalista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.