Entretenimento

Crítica: Sem Conexão, o filme de terror de 2020

Sem Conexão é um filme atípico. Produzido na Polônia, surpreende logo de cara pelo fato daquele país não ter tradição em desenvolver longas nesse gênero. Portanto, o filme já desperta curiosidade imediata (assista aqui).

Do que se trata o filme Sem Conexão Netflix

E não demora muito para que a história do filme Sem Conexão seja estabelecida ao espectador: um grupo de adolescentes viciados em Internet e tecnologia aceita participar de um acampamento no meio de uma floresta. O objetivo é “desintoxicar” de redes sociais e celulares, portanto eles se encontram isolados do mundo exterior.

O que eles não sabem é que, naquele mesmo lugar, um crime aconteceu há trinta anos. Todos que estão por ali correm perigo de vida porque, inexplicavelmente, o que houve no passado começa a se repetir no presente. Sem nenhuma forma de pedir ajuda, eles precisam tentar escapar com vida do lugar.

Reconheceu esse resumo de algum lugar? Pois é. O filme Netflix Sem Conexão bebe diretamente da fonte dos slashers famosos dos anos 70 e 80, como “Massacre da Serra Elétrica” e, mais notadamente, “Sexta-Feira 13”.

Em diversas passagens, o longa faz referências explícitas a esses filmes e cita outros, como “Um Lobisomem Americano em Londres” e até “Exterminador do Futuro”. São passagens bem humoradas (apesar do clima tenso) que mostram como este trabalho é fruto de um caldeirão de referências das mais diversas.

Pontos positivos e Negativos no filme Sem Conexão

Outro ponto positivo em Sem Conexão é seu elenco jovem, como Julia Wieniawa-Narkiewicz, Michal Lupa, Stanislaw Cywka, Wiktoria Gasiewska e outros. Não há ninguém dissonante: todos atuam de forma equilibrada, dentro das margens que o gênero terror permite.

É claro que o roteiro constrói os personagens em cima de arquétipos já conhecidos para quem acompanha filmes do gênero: há o bonitão, o nerd, os instrutores que ignoram o que acontece em volta, a menina-mocinha, etc. Ainda assim, é possível destacar o trabalho uniforme do elenco, que passa veracidade com seus personagens, mesmo em situações que poderiam, de outra forma, soar esdrúxulas.

Talvez, o que o filme Netflix Sem Conexão tenha como problema evidente é sua aposta excessiva em jump-scares (cenas de susto). A todo momento, uma trilha sonora invasiva tenta criar a tensão, e quando ela desaparece, sabemos que o susto vem. Isso tira o fator surpresa, mas para quem gosta de pular da cadeira, é uma boa pedida.

Por outro lado, os efeitos sonoros e a fotografia de Sem Conexão são realmente competentes. Conseguem provocar calafrios no espectador com pouco – até o momento em que a trilha assalta o clima criado, interrompendo a sensação de medo do desconhecido que o filme provoca até então.

Com um personagem principal divertido e assustador – e com um belo trabalho de maquiagem -, o filme Netflix Sem Conexão não fica nada a dever aos trabalhos que o inspirou. Os fãs de um gênero que anda meio combalido com a invasão do chamado “pós-terror” (liderado por diretores como Ari Aster e Robert Eggers) podem se sentir contemplados ao acompanhar uma história à moda antiga, usando os arquétipos de sempre, mas com bastante competência para segurar o enredo até o final.

Portanto, para quem procura um filme de terror de estilo clássico para ver no Halloween, Sem Conexão da Netflix é uma produção que não vai decepcionar.

Veja a crítica em vídeo:

Sinopse e Ficha Técnica do filme Netflix Sem Conexão

Título Original: Nobody Sleep in The Wood Tonight;

Lançamento Netflix: 28 de Outubro de 2020;

Direção e roteiro: Bartosz M. Kowalski, Jan Kwiecinski, Mirella Zaradkiewicz;

Sinopse Netflix: Um grupo de adolescentes viciados em tecnologia participa de um acampamento de reabilitação, mas algo tenta desligá-los do mundo para sempre.

Duração: 1h43;

País de Origem: Polônia;

Classificação etária: 18 anos;

Ano de lançamento: 2020;

Gênero: Terror, Suspense.

Você também poderá se interessar por O Que Ficou Para Trás, Bronx (Rogue City), A Maldição do Poço, Amor com Data Marcada, O Sangue de Zeus e AA do Amor.

Compartilhe
Luiz Henrique Oliveira

Nascido em 1986, editor-chefe no Cenapop, colunista no Interprete.Me, redator no UOL e youtuber no Cinco Tons.