Solo Netflix: Resenha do filme que conta a história real de Álvaro Vizcaíno

solo netflix filme baseado fatos reais drama sobrevivencia alvaro vizcaino

Solo, filme espanhol que chega ao catálogo da Netflix nesta semana, traz uma história absolutamente humana e que nos aproxima de seu personagem principal. Até porque, ele está na tela quase o tempo inteiro: o filme é centrado nele, em sua vida, seus problemas e na situação de sobrevivência pela qual passa. O longa é baseado em uma história real, que aconteceu em 2014, e isso só aumenta nossa angústia enquanto espectadores (assista aqui).

solo netflix filme baseado fatos reais drama sobrevivencia alvaro vizcaino 1Além do mais, o filme Netflix Solo tenta analisar os erros e acertos de um homem que tentou, durante toda a vida, não criar laços afetivos ou amorosos com quase ninguém. O protagonista do filme pode ser considerado um homem difícil, ou até mesmo chato: é o tipo de pessoa que acha que não precisa de ninguém, até que uma tragédia acontece e ele se vê, realmente, sozinho com seus demônios interiores.

A junção dessa análise psicológica com o drama de sobrevivência dá a esse filme uma relevância ímpar.

Sozinho na praia

Solo conta a fantástica história de Álvaro Vizcaíno, um surfista que vai até uma parte isolada das Ilhas Canárias para pegar uma onda e, ao atravessar a pé as dunas que ficam à beira de um penhasco, escorrega e cai. Na queda, ele fratura a bacia, o que o impede de andar. Não seria um grande problema se não fosse a falta de sinal no celular para pedir ajuda e a maré, que sobe e o puxa em direção ao mar.

Enquanto tenta sobreviver, Álvaro repensa várias atitudes que tomou em sua vida, como se afastar emocionalmente da família, não dar brecha para que outras pessoas entrem em seu cotidiano, entre outras lamentações que, nesse momento crucial, voltam à sua mente. Ele precisa dar um jeito de se manter vivo e a salvo, para quem sabe, tentar consertar esses erros.

solo netflix filme baseado fatos reais drama sobrevivencia alvaro vizcaino 3O filme lembra muito esses dramas de sobrevivência que nós já vimos anteriormente. Além de “127 Horas”, tem um pouco de “Náufrago” também misturado a essa história. O filme todo orbita o personagem interpretado por Alain Hernández. Aliás, o ator entrega aqui um trabalho muito difícil, física e psicologicamente falando. Ele aparece em praticamente todas as cenas e precisa, portanto, segurar o filme basicamente sozinho. Felizmente, ele nos dá uma atuação impecável, mostrando a frieza de Álvaro antes do acidente e como ele vai mudando seus pensamentos conforme reavalia sua trajetória até aquele momento, em que praticamente encara a morte.

É também de se destacar o grande trabalho de direção de Hugo Stuven. Ele, que está apenas em seu segundo trabalho comandando um longa metragem, nos dá imagens impressionantes, principalmente no momento da queda que Álvaro sofre da beira do penhasco. Não há como não ficar aflito com todas as situações que ele precisa enfrentar, e essa sensação é potencializada por uma direção que aposta no sentimento de claustrofobia do espectador. Para isso, também teve uma belíssima ajuda do diretor de fotografia, Ángel Iguácel. A paisagem é maravilhosa, mas a partir do momento do acidente, se torna opressora e selvagem.

Pesando a mão no melodrama

Se este original Netflix Solo tem algum defeito, seria o exagero do melodrama em seu roteiro. Não contente em ser um filme de sobrevivência, o longa também quer analisar psicologicamente o passado de Álvaro. O personagem é um sujeito praticamente frio, que não quer muito contato com as pessoas, autossuficiente. Durante sua provação no mar, ele passa a reconhecer seus erros e, em sua cabeça, procura modificá-los.

solo netflix filme baseado fatos reais drama sobrevivencia alvaro vizcaino 2Esse é um típico argumento melodramático que destoa um pouco do filme quando se compara com as suas imagens poderosas e atuação intensa de seu protagonista. Não que o uso do melodrama seja ruim nesse caso – na verdade, ele seria necessário de uma forma ou de outra, para que possamos nos conectar com o drama de Álvaro. Mas há um exagero açucarado, como se a mensagem do filme precisasse ser reforçada ao máximo, mastigada para o público.

A despeito disso, Solo é um filme intrigante, realizado com competência e que carrega, na atuação de Alain Hernándes, o seu maior trunfo. Prepare-se para ficar colado na cadeira, roendo as unhas, inquieto. Esse filme é para elevar as emoções ao máximo.

Para você que gostou do filme Solo, recomendamos também 22 de Julho, Operação Final , Um Mar de Esperança, O Anjo do MossadNa Própria Pele – O Caso Stefano Cucchi e Inspire, Expire.

Entenda o efeito da Suspensão de Descrença, e saiba como isso afeta a forma como você assiste aos filmes e séries!

Trailer e informações do filme Solo Netflix

Sinopse 1: Aos poucos, ele vai se afogando em memórias de relações fracassadas, egoísmos do passado e desculpas não pedidas.

Sinopse 2: Numa área remota das Ilhas Canárias, um surfista cai de um penhasco. Lutando pela sobrevivência, ele reflete sobre a vida e o amor do passado. Baseado em fatos reais.

Duração: 1h 30min;

Classificação etária: 12 anos;

Ano de lançamento: 2018;

Gênero: Drama, Suspense, Biográfico;

Solo Netflix: Resenha do filme que conta a história real de Álvaro Vizcaíno
O filme Netflix Solo tenta analisar os erros e acertos de um homem que tentou, durante toda a vida, não criar laços afetivos ou amorosos com quase ninguém.
Editor's Rating:
5

Seguidores no Facebook Ads a 2 centavos? Imagine 10.000 curtidores por R$ 200. Aprenda a conseguir seguidores baratos nesse artigo tutorial GRÁTIS.

Mais Artigos

Sobre o Autor

Eventualmente temos correspondentes variados em nosso blog, que são os "convidados". Trata-se de artigos escritos por diferentes pessoas, todos feitos especialmente para o Interprete-Me (conteúdos originais).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.