Longas e Curta-metragens

The Cloverfield Paradox Netflix: Crítica do filme com Trailer Dublado

Se houve uma coisa que The Cloverfield Paradox teve foi ação de marketing inovadora.

Para quem não se recorda, o longa Netflix foi disponibilizado, na íntegra, depois de um anúncio no Super Bowl – o evento mais assistido dos Estados Unidos. Em pouquíssimo tempo, a continuação do clássico de 2008 virou o assunto mais comentado do momento. Todos estavam perplexos com a liberação repentina, e também curiosos para assistir ao longa.

Naquele mesmo dia, todos descobriram que era melhor não ter visto nada. Infelizmente, The Cloverfield Paradox não faz jus a nenhum dos dois filmes anteriores da cinessérie (assista ao filme Netflix aqui).

Vamos explicar o por quê.

Feito de qualquer jeito

A impressão que se passa quando assistimos The Cloverfield Paradox é de um filme feito às pressas, “nas coxas” mesmo, e lançado de qualquer jeito.

Percebemos, então, que a estratégia de marketing usada para lançar o filme serviu apenas para mascarar os graves defeitos do longa que, se lançado de maneira convencional, cairia no esquecimento rapidamente. Com a bomba durante o Super Bowl, a produção conseguiu atrair atenção da mídia e dos críticos ao mesmo tempo.

É pena que tenha sido para um produto tão ruim…

A história da produção se passa no espaço. Serviria, supostamente, para mostrar as origens do monstro que aterrorizou Nova York em Cloverfield Monstro e Rua Cloverfield, 10 (estes sim, filmes de qualidade incontestável).

Acontece que o roteiro deste longa foi escrito de forma avulsa, sem qualquer ligação com o universo Cloverfield, e foi inserido dentro desse meio pelo produtor J. J. Abrams. O que poderia ser uma ficção científica sobre outras dimensões acabou se tornando uma espécie de prólogo dessa cinessérie.

Fica claro que isso foi feito de improviso, e que não deu muito certo.

Isso porque tudo parece muito confuso, forçando uma conexão com o universo Cloverfield de uma forma desnecessária. Para quem assiste, fica muito claro que este filme é um emendo, uma espécie de “puxadinho” da história original – no final das contas, parece que existem duas histórias rolando dentro do mesmo filme. Isso é que causa a confusão, pois é difícil acompanhar todos os pontos de vista que são mostrados. É fácil se perder.

A história preguiçosa de The Cloverfield Paradox

Com tudo isso, você já deve ter notado que The Cloverfield Paradox infelizmente não é bom.

Mesmo que seja interessante assisti-lo apenas para se situar dentro do conjunto de histórias sobre o monstro misterioso em Nova York, não vai passar disso: pura e simples curiosidade. A história é preguiçosa demais para se alongar em explicações realmente convincentes, usando apenas uma fenda no espaço-tempo para explicar basicamente tudo.

Cloverfield merecia mais.

As atuações estão até que ok, em especial a de Daniel Bruhl, invocando um sujeito misterioso e de quem, inicialmente, não confiamos. Ele dá, na primeira metade do filme, uma interpretação dúbia, onde não sabemos se ele é o mocinho ou o bandido da história.

Entretanto, na segunda metade ele se entrega à caricatura e acompanha o roteiro, que é clichê até em suas falas. Não é culpa do ator, é claro – com uma história sem pé nem cabeça como essa, não dá para fazer milagre.

Enfim, The Cloverfield Paradox é uma decepção como cinema e como expectativa. Quem é fã da cinessérie provavelmente vai se decepcionar por um longa dessa qualidade estar dentro de um universo tão rico e complexo; e quem não conhece nada sobre ela vai se decepcionar por ser um filme mal dirigido, mal escrito e que tem em suas atuações o único ponto relevante. Ou seja: quase nada se salva.

Recomendamos também Durante a Tormenta, Osmosis, A Ordem, Nightflyers e Love Death and Robots.

Trailer e informações de The Cloverfield Paradox Netflix

Sinopse 1: Quando uma missão entra em caos, ela precisa sacrificar tudo pelo mundo que ficou para trás.

Sinopse 2: Em órbita sobre um planeta prestes a entrar em guerra, cientistas testam uma possível solução para a crise de energia, mas acabam em uma realidade alternativa.

Idioma: dublado (com opção de áudio original em inglês, com legendas em português);

Duração: 1h 42min;

Classificação etária: 16 anos;

Ano de lançamento: 2018;

Gênero: Aventura, Ação, Ficção Científica;

Compartilhe
Convidado

Este é um artigo enviado por um convidado do site.

Publicado Por