Trabalhar com videogames, que tal?

Dedicação e paixão - mas também canseira e stress
Dedicação e paixão – mas também canseira e stress

Que atire o primeiro cartucho aquele que nunca quis trabalhar com games. Seja na parte de programação, design de personagens, roteiro, efeitos sonoros, o que for.

O problema é que muitos confundem essa paixão com lazer e hobby. Não estou dizendo que aquele que é fã de games não possa trabalhar com eles – pelo contrário, ama-los é quase um pré-requisito para entrar nesta indústria.

Mas o que muitos sonhadores se esquecem é que trabalhar com games é um mercado (quase) como qualquer outro. O objetivo principal é vender, ter lucros.

Claro que existe o prazer ao se trabalhar com isso. Mas a questão é que: você tem que pensar antes se aquela sua ideia super legal vai ser interessante para o público, se você sabe programar ou se está disposto a enfrentar horas entediantes e estressantes em frente a um computador. No fim das contas, trabalho que não lhe rende lucros não é trabalho, é hobby – nada contra hobbies, mas se você quiser pagar suas contas a grana vai ter que entrar de alguma forma.

Abaixo, um vídeo interessante que explora bem este assunto. Recomendo que veja, principalmente se sua intenção for entrar nessa indústria louca (o vídeo está totalmente em inglês, dá para ativar legenda pelo youtube se quiserem):

É evidente que o robô amarelo é exageradamente pessimista, mas tudo o que ele diz é verdade. E admiro a insistência e paixão do bonequinho de papelão. Se todos nós déssemos ouvidos aos robôs pessimistas da vida, não sairíamos da cama por medo de morrer em um ataque terrorista.

A indústria dos games é complicada, mas não é um sonho impossível. Mas você vai ter que se esforçar para subir os patamares até chegar onde quer. Acho que o segredo é aprender a gostar do processo todo, para que não fiquemos a vida toda almejando um futuro utópico.

E, para aqueles que têm uma idéia brilhante de história para um game, eu pergunto: você já pensou em escrever um livro, ou fazer um roteiro para uma animação?

Às vezes o que você quer é, na verdade, criar histórias. Levar as pessoas através de uma aventura fantástica. E isso não precisa ser necessariamente um game.

Dê uma olhada nestas sugestões de leitura:

1. Roteiro de Cinema e Televisão

2. Livros que Vendem – Como escrever e publicar seu Livro na Amazon e no Kindle

3. Técnicas para Escrever Ficção

 

Mas se sua intenção é realmente trabalhar com games, fica a dica da escola Saga, especialista em formar profissionais na indústria dos games.

Para qualquer profissão sempre haverá obstáculos. Tudo depende do tamanho de sua paixão e dedicação para saber se irá encarar ou não.

Siga seu coração!

Mais Artigos

Sobre o Autor

Escritora, redatora e ilustradora autodidata, Nantai procura reavivar a centelha de magia que todos temos. Gosta de montanhas, gatos, e de escrever ao som da chuva. Gosta de falar sobre fantasia e ficção científica, e colabora neste blog com um pouquinho de tudo. www.bcrausnantai.com