Vamos julgar o jogo pelo gráfico?

cryssis-on-lineRealísticos, perfeitos, detalhados e suaves. Cada vez mais nos sentimos imersos num mundo quase real que se desdobra com perfeição diante de nossos olhos.

E não é raro vermos por aí grupos de pessoas falando sobre os novos lançamentos, onde cada um acrescenta observações sobre “como tal jogo tem ótimos gráficos”. É claro que este não é o único assunto na roda de amigos gamers, mas é muito frequente – até eu me incluo nessa.

Mas muitas vezes parece que é apenas isso que importa num jogo.

– Mas e a história, como é? E a jogabilidade?

– Dane-se! Os gráficos são perfeitos!

E tem uma variante:

– Nossa, amei tanto este jogo!

– Como pode gostar disso? Olha esses gráficos podres!

Esta cena soa familiar? Bem comum, não acha?

 

Pixels, quadrados e texturas

 

minecraft-jogos-graficosHa não muito tempo atrás ficávamos impressionados (de cair o queixo mesmo) ao ver os gráficos do Super Nintendo, ou PlayStation1. Era a geração do início dos anos 90 tendo o mesmo deslumbramento que temos hoje com os consoles atuais.

Todos nós ficamos empolgados com o Game Boy Color, pois finalmente poderíamos jogar num portátil a cores! E por aí vai, o deslumbramento numa evolução que acompanha os próprios games em si.

Mas não é só porque estamos em pleno “século-dos-gráficos” que deixamos de ver jogos fazendo sucesso com alguns pixels e texturas bem abaixo do padrão. Minecraft e Tíbia estão aí para provar.

Pokémon vêm se aprimorando cada vez mais, mas, apesar da visível evolução, não é como se tivéssemos num cenário à lá Far Cry procurando os monstrinhos (seria incrível, mas particularmente amo pixel-art).

Evolução pokémon - não apenas os monstros de bolso, mas também os jogos em si
Evolução pokémon – não apenas os monstros de bolso, mas também os jogos em si

 

Os gráficos de jogos como Super Mario e Mario Kart melhoraram drasticamente. Mas o conceito principal do jogo - e a diversão - continua praticamente o mesmo
Os gráficos de jogos como Super Mario e Mario Kart melhoraram drasticamente. Mas o conceito principal do jogo – e a diversão – continua praticamente o mesmo

 

 

O que importa

 

Earthworm-Jim-graficosNão sou hipócrita de negar que jogos com gráficos beirando a perfeição nos dão maior imersão para a trama toda – é claro que é super legal. Sempre que tem um lançamento e vemos aquele trailer que mais parecem cenas de Hollywood ficamos animados, espalhando para os quatro cantos do mundo que o jogo vai ser demais.

Mas será que não estamos “julgando o jogo pelo gráfico”?

Sim, pois um jogo não é feito apenas de gráficos. Além do enredo, o ele deve ter uma mecânica empolgante, algo que te desafie e o faça querer ir para a próxima fase.

Por mais que seja fantástico ver um cenário super detalhado (a ponto de ver os poros do personagem) não somos bobos, e sabemos quando estamos sendo enganados. Trata-se daquele jogo lindo que parece que não vai para frente… Ou que não te dá um desafio interessante, não te “puxa” para ele. É que às vezes aquele gráfico fantástico é a única coisa que o jogo tem de bom. E mais nada.

avatar-wii-graficoÉ como comprar um bolo com uma linda cereja em cima, e quando você vai comê-lo percebe que tem gosto de chuchu. Mas a cereja, ah… essa é vermelha e brilhante! Mas de que adianta se o bolo sequer é doce?

Vemos muito disso em jogos baseados em filmes (não generalizando, mas muitos tem tanto conteúdo quanto um balão de festa). Eles colocam cut-scenes eletrizantes, trilhas sonoras fantásticas, personagens bem construídos… E o jogo quase se joga sozinho.

Se for assim, prefiro ir ao cinema.

 

Diversão

 

scribblenauts-nintendo-ds-graficoVamos SIM olhar para os lindos gráficos de um jogo (afinal, são uma obra de arte, e certamente deram muito trabalho), mas não vamos nos cegar perante essa beleza e nos esquecer de que um jogo deve ter, acima de tudo, bons desafios.

Queremos jogos que façam com que possamos usar aquela sagacidade especial que é intrínseca a todo gamer. Jogos que proporcionem aquele momento em que você finalmente descobre o enigma e fica tão feliz a ponto de querer estourar um champagne (já saí pulando pela casa gritando “descobriiiii”).

É DISSO que um bom jogo é feito.

Amamos a cereja, mas por favor, me veja um bolo caprichado de chocolate. 🙂

Mais Artigos

Sobre o Autor

Escritora, redatora e ilustradora autodidata, Nantai procura reavivar a centelha de magia que todos temos. Gosta de montanhas, gatos, e de escrever ao som da chuva. Gosta de falar sobre fantasia e ficção científica, e colabora neste blog com um pouquinho de tudo. www.bcrausnantai.com

2 thoughts on “Vamos julgar o jogo pelo gráfico?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.